Blog

Descubra um espaço de novidades e conselhos para o seu automóvel

Contabilização Leasing Financeiro e Operacional Automóvel

Descubra como é feita a contabilização do Leasing Financeiro e Operacional

Por: Renato Portela – Contabilista Certificado e Accounting Manager RCI Bank and Services

A contabilização das locações financeiras e operacionais sempre foi alvo de alguma celeuma e dificuldade de interpretação, procurando os intervenientes na elaboração das demonstrações financeiras apresentar e defender argumentos que justificassem a escolha, entre financeira e operacional, que melhor lhes conviesse.

Para tentar tornar mais linear a contabilização das locações, o IASB emitiu a norma IFRS 16 – Leases que entra em vigor a 1 de Janeiro de 2019, substituindo a IAS 17, sendo de aplicação obrigatória para entidades que preparem as suas demonstrações financeiras em IFRS.

Para os locatários a norma fornece um modelo de contabilização único, exigindo que os mesmos reconheçam ativos e passivos para todas as locações, independentemente de serem financeiros ou operacionais, exceto para as seguintes duas situações:

 

    • 1 – Locações em que a duração do contrato seja inferior a 12 meses e não exista opção de compra,
    • 2 – Locações em que o ativo subjacente tenha um valor reduzido, dando a norma como exemplo, computadores pessoais ou pequeno mobiliário de escritório.

 

Esta obrigatoriedade apresenta diversos desafios às empresas, nomeadamente as que detém contratos de locação operacional, também conhecido por Renting Automóvel e que terão necessidade de quantificar o bem objeto de locação como um ativo fixo tangível, calcular amortizações (acumuladas e correntes) para o mesmo, bem como identificar uma dívida bancária no passivo para o montante de capital em dívida.

Nas rubricas de resultados irá ocorrer um aumento dos gastos, com amortizações e gastos de financiamento, compensado pela redução de despesas com rendas e alugueres.

Para as locadoras a distinção entre locação financeira e locação operacional mantém-se, sendo os critérios definidos para a sua distinção/contabilização idênticos aos preconizados pela IAS 17. No entanto, poderão surgir necessidades adicionais ao nível da informação que deverá ser comunicada aos clientes e que lhes permita fazer face às suas novas necessidades.

Para as empresas que utilizem o SNC as regras mantém-se inalteradas, continuando em vigor e até que seja alterado pela Comissão de Normalização Contabilística, a NCRF 9 – Locações.

Apresentamos de seguida um pequeno quadro resumo com as principais implicações da implementação da IFRS 16

 

Contabilização Leasing no Balanço:

 

IAS 17

IFRS 16

Leasing Financeiro

Leasing Operacional

Todas as locações

Activos

Carro

Carro

Passivos

€€€

€€€

 

Contabilização do Leasing na Demonstração de Resultados

IAS 17

IFRS 16

Leasing Financeiro

Leasing Operacional

Todas as locações

Proveitos

Gastos operacionais

€€€

EBITDA

Depreciações e amortizações

€€€

€€€

Resultado Operacional

Gastos Financiamento

€€€

€€€

RAI

 

 

Este artigo pretende dar algumas orientações específicas sobre o tema em epígrafe, no entanto, não dispensa a leitura da norma IFRS16 emitida pelo IASB.

Descarregue hoje mesmo o nosso E-Book Renovação de Frotas, totalmente gratuito.